redação

Coaching para Concursos

Postado em Atualizado em

O DOMÍNIO

DA MATÉRIA

* por Ana Carolina Mendonça

 

CollegeKidsStudyingSmaller

 

Após uma sessão de estudos, você se sente capaz de dar uma aula sobre o tema, realizar uma boa prova, enfim, aplicar o conhecimento aprendido? E após várias sessões de estudos da mesma matéria, você se sente preparado?

 Na preparação para provas e concursos, a etapa de planejamento avalia e define o nível de profundidade requerido para cada disciplina. Após isso, o que fazer com aquelas disciplinas que exigem domínio da matéria?

 Para adquirir o domínio de um tema é necessário transformar o conteúdo em uma competência intelectual.

 Isso significa dizer que ter o domínio da matéria não é, simplesmente, ter ciência de um determinado conteúdo, existem outras etapas que também compõem a aprendizagem.

 O Processo do Domínio Cognitivo foi definido por Jonhson & Johnson (1971)  como um caminho lógico composto por 6 fases:

 Fase 1 – Conhecimento:

A informação verbal é guardada na memória. Você é capaz de definir, enunciar, repetir, recordar e  relacionar o conteúdo.

 Fase 2 – Compreensão:

Além da memória, há interpretação da informação ou vivência. você conseguirá descrever, explicar e discutir o assunto.

 Fase 3 – Aplicação:

Além da memória e da interpretação, você já é capaz de empregar o conhecimento, interpretar, usar, demonstrar.

 Fase 4 – Análise:

Ao ser capaz de refletir sobre o tema, você conseguirá analisar, distinguir, diferenciar, experimentar, comparar e categorizar o aprendizado. Nessa fase, são envolvidas várias habilidades intelectuais.

 Fase 5 – Síntese:

É uma fase mais evoluída da interpretação, pois os conhecimentos são internalizados, por meio de esquemas e fórmulas. A partir disso, é possível, inclusive, desenvolver conceitos próprios. Ou seja, além de interpretar o que existe, é capaz de planejar, criar e construir.

 Fase 6 – Crítica ou Avaliação:

Essa é a fase em que você será capaz de assumir posicionamento crítico, tomar decisões e resolver problemas, seja por meio de regras conhecidas ou com o uso da criatividade.

 Avançando as fases do Domínio Cognitivo você evolui também o seu nível de raciocínio. Para isso, a ideia é você treinar as habilidades indicadas em cada etapa e ser capaz de realizar cada uma.

 No entanto, como salientado anteriormente, nem todos os assuntos exigem o pleno domínio do conteúdo. Para alguns, bastará ter o conhecimento, para outros, a compreensão. Ter uma clara definição do objetivo a ser alcançado e um planejamento otimizado serão peças fundamentais na avaliação da importância de cada matéria e na identificação do nível de profundidade exigido de cada uma.

 Na sua próxima revisão de estudos, experimente testar as capacidades listadas em cada fase (começando da fase 1 em direção à fase 6) e verifique em que nível você se encontra para cada matéria. Compartilhe seus resultados, suas dúvidas e questionamentos!

 Bons Estudos!

Veja mais sobre Coaching:saiba mais

Interesse pela Leitura

Você: Aliado ou Inimigo

Construir a Aprovação

Ensine seu cérebro a produzir energia e não a disperdiçá-la

Excelência: Estado de Fluxo

Qual o seu Estilo de Aprendizagem

Relaxamento Instantâneo

Seu Plano de Estudo

Impulsionando a sua Memória

Regulou o seu Foco?

Técnicas de Memorização

Conhece o Princípio 10/90?

Confiança e Ansiedade na Aprendizagem

Inteligência se Aprende

6 Dicas para Você Concretizar suas Decisões

imageANA CAROLINA MENDONÇA é Master Coach com certificação Internacional em Coaching Integral Sistêmico, nas especialidades Life e Executive Coaching, pela Federação Brasileira de Coaching Integral Sistêmico, em parceria com a Florida Christian University. Palestrante e Articulista Semanal em Coaching para Concursos. Com experiências no Banco Central do Brasil e no Tribunal Superior do Trabalho, onde participou do Planejamento Estratégico Institucional, exerceu a Gerência de Projetos, dentre eles, a estruturação do Escritório de Processos. Atualmente, concilia suas atividades no Conselho Superior da Justiça do Trabalho com o trabalho no Coaching.

Contato: (61) 8413-8543 – anacarolina@coachee.com.br

Coaching para Concursos

Postado em Atualizado em

ENTENDENDO A MEMORIZAÇÃO

* por Ana Carolina Mendonça

 

cogmedstory1

Você conhece as fases da memorização? Como serão os seus resultados quando você passar a memorizar mais e melhor as informações de que precisa?

Memorização refere-se a uma função mental de armazenamento de informações e experiências. Trata-se da capacidade de reter e evocar o conhecimento. Nosso cérebro é capaz de memorizar tudo o que acontece, pois há espaço para isso. No entanto, por meio da utilização de filtros, ele armazena a longo prazo apenas o que consideramos relevante (para saber mais, leia Impulsionando sua Memória).

 Hoje vamos compreender as fases do processo da memória e, assim, entender como otimizar cada uma delas.

 fases_memorizacao1

A fase de Captação é aquela em que a pessoa utiliza seus sentidos a fim de receber as informações. Para uma melhor captação, é crucial prestar atenção ao que você está vendo, ouvindo ou sentindo. Dessa forma, outra ferramenta importante é analisar o seu próprio perfil e identificar se você é uma pessoa mais visual, auditiva ou cinestésica (lei mais em Qual o seu Estilo de Aprendizagem?) isso o ajudará na escolha do tipo de material para estudo.

 Na Fixação, preliminarmente, o cérebro categoriza a informação em curtíssimo, curto ou longo prazo e, então, os neurônios se encarregarão de guardar essa informação. Importante compreender que o parâmetro utilizado pelo cérebro para classificar a memória é o interesse, o amor ou a vontade da pessoa pelo assunto (saiba mais em Impulsionando sua Memória). Daí, ser tão difícil aprender uma matéria que não se gosta. Mas, hoje, há técnicas e ferramentas que nos auxiliam a criar gosto pelas matérias!

 A Manutenção refere-se ao cuidado do cérebro para que não seja armazenado informação nova sobre uma antiga. Essa análise baseia-se na utilidade da informação armazenada. Se o cérebro considerar que guardou informação inútil, destinará aquele espaço para nova informação. Se queremos guardar determinada informação a longo prazo precisamos demonstrar utilidade. Daí a importância fundamental das revisões periódicas da matéria aprendida. Lembre-se! Sem a revisão, você não garante a perenidade da informação.

 A fase de Recuperação é aquela em que acionamos o cérebro para localizar e resgatar a informação armazenada. Essa etapa é fundamental na realização de provas e exames. O mecanismo de recuperação se aperfeiçoa pelo treino. Fazer exercícios, resolver provas anteriores, bem como revisar constantemente a matéria aprendida aperfeiçoa o processo e torna a recuperação mais rápida. O uso de técnicas específicas de memorização com a utilização de mneumônicos e associações aceleram o resgate da matéria.

 Por fim, a fase de transmissão refere-se à capacidade de transmitir o conhecimento, seja de forma escrita ou oral. Essencial para a elaboração de textos e redações ou para a realização de exames orais. Você já deve ter se deparado com alguma situação em que, apesar de conhecer a matéria, não se sentia apto para desenvolver uma redação sobre o tema. Isso se deve ao fato de a informação ter sido armazenada de forma muito segmentada sem ser criados vínculos entre temas similares. O aperfeiçoamento da transmissão ocorre pelo treino, mas também por uma fase de fixação mais adequada.

 Pequenos upgrades em cada uma das etapas, gerará um ganho significativo para sua memorização!

Veja mais sobre Coaching:saiba mais

Ensine seu cérebro a produzir energia e não a disperdiçá-la

Excelência: Estado de Fluxo

Qual o seu Estilo de Aprendizagem

Relaxamento Instantâneo

Seu Plano de Estudo

Impulsionando a sua Memória

Regulou o seu Foco?

Técnicas de Memorização

Conhece o Princípio 10/90?

Confiança e Ansiedade na Aprendizagem

Inteligência se Aprende

6 Dicas para Você Concretizar suas Decisões

image

ANA CAROLINA MENDONÇA é Master Coach com certificação Internacional em Coaching Integral Sistêmico, nas especialidades Life e Executive Coaching. Formada em Ciências Contábeis – Universidade de Brasília, com pós-graduação em Controle e Auditoria Públicos. Atuou no Banco Central do Brasil e no Tribunal Superior do Trabalho e desempenha função no Conselho Superior da Justiça do Trabalho.