Provas

Direito e Processo Civil

Postado em Atualizado em

Por Patrícia Dreyer

civil1

  • Prova Emprestada

Pode ser prova de qualquer natureza (laudo pericial, depoimento, documento, etc);

A jurisprudência admite a prova emprestada, só que somente se os mesmos sujeitos processuais do processo que se produzir a prova, sejam os mesmos do que pretende produzir prova.

  • Constatações do Oficial de Justiça

As resistência, ou quando a pessoa dificulta, se o oficial transcrever no laudo, esse serve como prova. Ainda, a parte pode requerer que seja ouvido o oficial de justiça.

  • Ato Notarial

O tabelião verifica a página da internet e faz uma ata. Esse documento tem fé pública.

  • Declaração Escrita de Terceiros

Declaração escrita de um terceiro para provar algo que se alega.

  • Expert Witness

Testemunhas técnicas;

Um técnico que vai ser ouvido em juízo.

VEJA MAIS SOBRE DIREITO CIVIL E PROCESSO CIVIL EM:

Sentença Estrangeirasaiba mais

O Efeito da Sentença na Ação Civil Pública

O Papel da Ação Reivindicatória na Defesa do Direito de Propriedade

A Possibilidade de Penhora do Bem de Família dado em Garantia de Dívida de Empresa Familia

Acompanhe, curta e compartilhe

Washington Luís Batista Barbosa

http://www.washingtonbarbosa.com

http://www.facebook.com/washingtonbarbosa.professor

Direito e Processo Civil

Postado em Atualizado em

Por Patrícia Dreyer

civil1

  • Prova Emprestada

Pode ser prova de qualquer natureza (laudo pericial, depoimento, documento, etc);

A jurisprudência admite a prova emprestada, só que somente se os mesmos sujeitos processuais do processo que se produzir a prova, sejam os mesmos do que pretende produzir prova.

  • Constatações do Oficial de Justiça

As resistência, ou quando a pessoa dificulta, se o oficial transcrever no laudo, esse serve como prova. Ainda, a parte pode requerer que seja ouvido o oficial de justiça.

  • Ato Notarial

O tabelião verifica a página da internet e faz uma ata. Esse documento tem fé pública.

  • Declaração Escrita de Terceiros

Declaração escrita de um terceiro para provar algo que se alega.

  • Expert Witness

Testemunhas técnicas;

Um técnico que vai ser ouvido em juízo.

VEJA MAIS SOBRE DIREITO CIVIL E PROCESSO CIVIL EM:

Sentença Estrangeirasaiba mais

O Efeito da Sentença na Ação Civil Pública

O Papel da Ação Reivindicatória na Defesa do Direito de Propriedade

A Possibilidade de Penhora do Bem de Família dado em Garantia de Dívida de Empresa Familia

Acompanhe, curta e compartilhe

Washington Luís Batista Barbosa

http://www.washingtonbarbosa.com

http://www.facebook.com/washingtonbarbosa.professor

Direito e Processo Civil

Postado em Atualizado em

Por Patrícia Dreyer

Civil

1 – Acerca da prova no sistema processual civil, assinale a opção correta.

a) A confissão, que, em regra, é indivisível, pode ser judicial ou extrajudicial, sendo inválida como confissão a admissão, em juízo, de fatos relativos a direitos indisponíveis.

b) Na instância ordinária, as partes têm liberdade para apresentar documentos novos somente até o saneamento do processo, e, sempre que documentos novos forem aduzidos, o juiz concederá prazo de cinco dias para a parte contrária manifestar-se sobre eles.

c) O MP somente poderá produzir provas em juízo quando atuar como parte ou como substituto processual, cabendo ao magistrado indeferir eventual requerimento de produção de provas quando o MP atuar na condição de fiscal da lei.

d) De acordo com a moderna teoria da distribuição dinâmica da prova, cada parte deverá produzir a prova apta a demonstrar suas alegações, independentemente de quem tenha melhores condições de o fazer.

e) É defeso aos sujeitos da relação jurídica deduzida em juízo estabelecer qualquer convenção que distribua de maneira diversa o ônus da prova. Trata-se de regra legal indisponível para as partes.

2 – Em relação à prova, é correto afirmar:

a) Na apreciação da prova, o Juiz utilizará de seu livre convencimento, atendendo aos fatos e circunstâncias constantes dos autos, mas deverá indicar expressamente, na sentença, os motivos que lhe formaram esse livre convencimento.

b) O sistema processual pátrio estabelece a prova hierarquizada, devendo o Juiz obedecer estritamente a essa hierarquia, sob pena de nulidade da sentença a ser proferida.

c) As máximas de experiência não são observadas em nosso direito, pois o Juiz, em falta de normas jurídicas particulares, só poderá utilizar-se da analogia, dos usos e costumes e dos princípios gerais de direito.

d) O ônus da prova não pode ser objeto de convenção entre as partes, em nenhuma hipótese, por se tratar de matéria cogente e de ordem pública.

e) Somente os meios legais são aptos a provar a verdade dos fatos, até porque as provas previstas processualmente configuram rol taxativo e não elucidativo.

 

3 – Em relação à prova, é correto afirmar:

a) Na apreciação da prova, o Juiz utilizará de seu livre convencimento, atendendo aos fatos e circunstâncias constantes dos autos, mas deverá indicar expressamente, na sentença, os motivos que lhe formaram esse livre convencimento.

b) O sistema processual pátrio estabelece a prova hierarquizada, devendo o Juiz obedecer estritamente a essa hierarquia, sob pena de nulidade da sentença a ser proferida.

c) As máximas de experiência não são observadas em nosso direito, pois o Juiz, em falta de normas jurídicas particulares, só poderá utilizar-se da analogia, dos usos e costumes e dos princípios gerais de direito.

d) O ônus da prova não pode ser objeto de convenção entre as partes, em nenhuma hipótese, por se tratar de matéria cogente e de ordem pública.

e) Somente os meios legais são aptos a provar a verdade dos fatos, até porque as provas previstas processualmente configuram rol taxativo e não elucidativo.

4 – Eduardo contratou a construção de uma residência com Francisco, engenheiro, entregando-lhe os projetos executivos aprovados perante a municipalidade. Por sua vez, Francisco subcontratou Roberto, mestre de obras, repas- sando-lhe os projetos executivos. Durante a consecução da obra, porém, Eduardo rompeu o contrato de empreitada, pugnando pela devolução dos documentos que imagi- nava estarem em poder de Francisco. Francisco pediu a Roberto que devolvesse os documentos. No entanto, Roberto, sem justo motivo, recusou-se a fazê-lo. Inconformado, Eduardo ajuizou medida cautelar de exibição de documentos, no âmbito da qual o juiz ordenará que Roberto

a) seja imediatamente indiciado por crime de desobediência.

b) indenize Eduardo pelos prejuízos que a não-apresentação do documento lhe causou.

c) proceda ao depósito do documento, determinando a expedição de mandado de apreensão, para o caso de descumprimento.

d) proceda ao depósito do documento, sob pena de presunção de veracidade dos fatos contidos na inicial.

e) proceda ao depósito do documento, sob pena de multa.

5 – No tocante à prova, é correto afirmar:

a) O ônus da prova é cogente, não admitindo convenção que a distribua de maneira diversa em nenhuma hipótese;

b) Salvo disposição especial em contrário, as provas devem ser produzidas com a inicial e em perícia.

c) O rol de provas possíveis é taxativo em nosso direito, só se admitindo aquelas expressamente previstas em lei.

d) O juiz valorará a prova dos autos conforme critério tarifário, ou seja, dando a cada prova o valor previamente fixado para ela no direito processual civil pátrio.

e) O destinatário da prova é o juiz, que poderá, de oficio ou a requerimento da parte, determinar as provas necessárias à instrução do processo, bem como indeferir as diligências inúteis ou meramente protelatórias.

gab

VEJA MAIS SOBRE DIREITO CIVIL E PROCESSO CIVIL EM:

Sentença Estrangeirasaiba mais

O Efeito da Sentença na Ação Civil Pública

O Papel da Ação Reivindicatória na Defesa do Direito de Propriedade

A Possibilidade de Penhora do Bem de Família dado em Garantia de Dívida de Empresa Familia

Acompanhe, curta e compartilhe

Washington Luís Batista Barbosa

http://www.washingtonbarbosa.com

http://www.facebook.com/washingtonbarbosa.professor

Direito e Processo Civil

Postado em Atualizado em

Por Patrícia Dreyer

Civil

  • Prova Emprestada

Pode ser prova de qualquer natureza (laudo pericial, depoimento, documento, etc);

A jurisprudência admite a prova emprestada, só que somente se os mesmos sujeitos processuais do processo que se produzir a prova, sejam os mesmos do que pretende produzir prova.

  • Constatações do Oficial de Justiça

As resistência, ou quando a pessoa dificulta, se o oficial transcrever no laudo, esse serve como prova. Ainda, a parte pode requerer que seja ouvido o oficial de justiça.

  • Ato Notarial

O tabelião verifica a página da internet e faz uma ata. Esse documento tem fé pública.

  • Declaração Escrita de Terceiros

Declaração escrita de um terceiro para provar algo que se alega.

  • Expert Witness

Testemunhas técnicas;

Um técnico que vai ser ouvido em juízo.

VEJA MAIS SOBRE DIREITO CIVIL E PROCESSO CIVIL EM:

Sentença Estrangeirasaiba mais

O Efeito da Sentença na Ação Civil Pública

O Papel da Ação Reivindicatória na Defesa do Direito de Propriedade

A Possibilidade de Penhora do Bem de Família dado em Garantia de Dívida de Empresa Familia

Acompanhe, curta e compartilhe

Washington Luís Batista Barbosa

http://www.washingtonbarbosa.com

http://www.facebook.com/washingtonbarbosa.professor

OAB 2015

Postado em Atualizado em

OABter

Datas importantes:

XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO
Publicação do Edital de Abertura: 23 de janeiro de 2015
Período de Inscrição: 23 de janeiro a 5 de fevereiro de 2015
Prova Objetiva – 1ª fase: 15 de março de 2015
Prova prático-profissional – 2ª fase: 17/05/2015

XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO
Publicação do Edital de Abertura: 1º de junho de 2015
Período de Inscrição: 1º a 14 de junho de 2015
Prova Objetiva – 1ª fase: 19 de julho de 2015
Prova prático-profissional – 2ª fase: 13 de setembro de 2015

XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO
Publicação do Edital de Abertura: 28 de setembro de 2015
Período de Inscrição: 28 de setembro a 8 de outubro de 2015
Prova Objetiva – 1ª fase: 22 de novembro de 2015
Prova prático-profissional – 2ª fase: 10 de janeiro de 2016

Bons estudos!

Veja também:

Direito Empresarial

Direito Constitucional

Direito Administrativo

was

WASHINGTON LUÍS BATISTA BARBOSA é especialista em Direito Público e em Direito do Trabalho, MBA Marketing e MBA Formação para Altos Executivos;

Desempenhou várias funções na carreira pública e privada, dentre as quais: Assessoria Jurídica da Diretoria Geral e Assessoria Técnica da Secretaria Geral da Presidência do Tribunal Superior do Trabalho, Diretor Fiscal da Procuradoria Geral do Governo do Distrito Federal, Cargos de Alta Administração no Conglomerado Banco do Brasil.

Coordenador de Cursos Jurídicos de pós-graduação e preparatórios para concursos públicos

Editor dos blogs www.washingtonbarbosa.comwww.twitter.com/wbbarbosa, e https://www.facebook.com/washingtonbarbosa.professor

Autor de vários artigos publicados em revistas especializadas.

Coaching para Concursos

Postado em Atualizado em

JUNTOS NA CAMINHADA

* por Janaína Bortoluzzi

Coaching

Nós que auxiliamos outros seres humanos para alcançar mais saúde espiritual, mental, emocional, física, profissional, também estamos no caminho, também buscamos nos melhorar, pois a evolução e os aprendizados da vida são para todos. Estamos nos lapidando e a nossas arestas. Assim, focamos em cada vez termos mais coerência. Coerência entre pensamentos, sentimentos e atitudes. Cada um a seu ritmo, de forma gradativa e consistente, também vamos construindo nossa jornada.

Como em uma escada, há vários níveis de evolução e aprendizado:

  • pessoas à nossa frente nas quais podemos nos espelhar e nos inspirar. Confiar em sua experiência em saber quais são as pedras do caminho, por onde seguir, onde pisar;

  • há quem esteja no mesmo nível que nós, ao nosso lado, e nos motivamos a continuar. Com os tropeços, quedas, o levantar-se, o persistir. Mas com força de vontade e apoio mútuos;

  • e ainda há pessoas que se encontram um pouco atrás, às quais, se procuram e querem, podemos nos dispor a ensinar nossos próprios passos para que também alcancem conquistas que já realizamos.

Em contextos diferentes, todos nós nos encontramos nas três posições. Para desempenhar seja qual for o papel que nos cabe na situação que se nos apresenta, precisamos lançar mão de disposição para ter:

  • admiração por quem está à nossa frente e seguir e aprender com seus passos;

  • companheirismo para dar a mão a quem está ao nosso lado;

  • compreensão, não-julgamento e doação para auxiliar quem pede ajuda, quer empreender outros tipos de atitudes e mudar hábitos de vida.

Em qualquer nível, porém, a humildade, a vontade, o reconhecimento, a paciência e a persistência são imprescindíveis, e claro: sempre nos baseando no amor.

Estamos todos juntos nessa caminhada! E vislumbrando o vasto horizonte desse caminhar, que sigamos pautados em valores atemporais que nos direcionam ao crescimento e à busca do que há de melhor em nós! Conquistando uma vida mais plena, com mais significado e feliz em todos os sentidos, reunindo cada vez mais gente no mesmo degrau: uns ao lado dos outros em andares mais elevados!

Sabendo que queremos expandir nossas consciências, nos superar e alçar vôos cada vez mais altos, estamos à disposição para auxiliar, com o que já alcançamos, quem nos procura no caminho do autoconhecimento e realização. E é sempre muito gratificante poder compartilhar experiências e saber que tudo e todos nos proporcionamos melhorias, aprendizados e crescimento contínuos.

 O quanto estamos dispostos a ampliar nossas consciências e nos melhorar e às nossas vidas nessa caminhada? Vamos juntos?!

Um abraço amoroso para cada ser humano que podemos abraçar!

   Janaína Bortoluzzi e Ana Carolina Mendonça

     Master e Executive Coaches

Veja mais sobre Coaching:

Deixar o emprego para estudar é uma boa ideia?

Siga em frente!

A Copa das Copas

Faça da Música sua Aliada

Sempre Avante

Tempo: o seu bem mais precioso

Organizar e Aprender

Segredos do Sono Reparador

Quantas Horas Estudar?

O Domínio da Matériasaiba mais

Interesse pela Leitura

Você: Aliado ou Inimigo

Construir a Aprovação

Ensine seu cérebro a produzir energia e não a disperdiçá-la

Excelência: Estado de Fluxo

Qual o seu Estilo de Aprendizagem

Relaxamento Instantâneo

Seu Plano de Estudo

Impulsionando a sua Memória

Regulou o seu Foco?

Técnicas de Memorização

Conhece o Princípio 10/90?

Confiança e Ansiedade na Aprendizagem

Inteligência se Aprende

Acompanhe, curta e compartilhe

Washington Luís Batista Barbosa

http://www.washingtonbarbosa.com

http://www.facebook.com/washingtonbarbosa.professor

Segunda Fase da OAB

Postado em Atualizado em

OAB: Segunda fase

contará com 46 mil

candidatos. Resolva

provas anteriores

OAB_segunda_fase_contará_com_46mil_candidatos
A segunda fase do XIII Exame de Ordem Unificado contará com aproximadamente 46.081 mil candidatos. Isso porque, foram aprovados 36.971, soma-se nessa conta outros 9.041 remanescentes do XII exame.

Tome nota

O Exame da Ordem dos Advogados (OAB) ou Exame de Ordem é uma avaliação que mede os conhecimentos e capacidades para exercício da profissão de advogado. O exame costuma ser aplicado 3 vezes ao ano, possui 2 avaliações: a objetiva e a prático profissional.

Qualquer Bacharel em Direito que queira atuar como advogado deve fazer o exame de forma obrigatória. Ele também é requisito para inscrição do profissional no quadro da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O exame de ordem tem duração de 5 horas e o escore máximo é de 10 pontos.

Confira as datas de todos os exames da OAB previstos para este ano:

AGENDA

XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

Prova prático-profissional – 2.ª fase 01/06/2014

XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

Publicação do Edital de Abertura 20/06/2014

Período de Inscrição 20/06/2014 a 02/07/2014

Prova Objetiva – 1.ª fase 03/08/2014

Prova prático-profissional – 2.ª fase 14/09/2014

XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

Publicação do Edital de Abertura 26/09/2014

Período de Inscrição 26/09/2014 a 09/10/2014

Prova Objetiva – 1.ª fase 09/11/2014

Prova prático-profissional – 2.ª fase 21/12/2014

Você sabia?

O Exame da Ordem foi criado em 1963 pela lei 4.215 mas só foi regulamentado a 10 anos atrás 1994 pela lei 8906 de 4 de Julho, que atribui a OAB a competência para regulamentar os dispositivos do Exame de Ordem.

Confira abaixo as provas anteriores e os gabaritos. O exame foi dividido em 4 tipos de provas.

Tipo1- Branca

Tipo 2- Verde

Tipo 3- Amarela

Tipo 4- Azul

Gabaritos

Coaching para Concursos

Postado em Atualizado em

RELAXAMENTO INSTANTÂNEO

*por Ana Carolina Mendonça

 relaxamento

 

Você controla bem os momentos de tensão? Situações de estresse te tiram do foco? Quanto da sua produtividade e do seu aprendizado diminuem quando você se sente ansioso(a)?

 Como já falado nos artigos anteriores, a tensão, o estresse e a ansiedade são inimigos do processamento da memória. Eles prejudicam tanto a aprendizagem como a recordação de informações.

No texto de hoje apresento sete técnicas simples para um relaxamento profundo. Elas te permitirão quebrar o estado de tensão e te colocar em pleno domínio dos seus pensamentos e sensações. Em decorrência, você alcançará melhores rendimentos.

Treinar ferramentas de relaxamento instantâneo em momentos tranquilos te permitirá recordá-las nas situações adversas. Então aproveite e relaxe!!

relaxamentoDica 1: Relaxamento Progressivo

Uma ótima forma para relaxar é provocar um extremo contraste entre intensa contração dos músculos e completo relaxamento. Trata-se de ensinar o cérebro a relaxar.

Para isso, cerre os punhos fortemente e contraia todo o corpo, contando mentalmente até 10. Sinta cada parte do seu corpo contraída, desde o alto da cabeça, passando pelo rosto, pescoço, ombros, costas, quadris, coxas, pernas, até os pés.  Contraia… contraia… contraia…. mais… e relaxe…. Deixe o corpo pesar por alguns instantes, relaxe voluntariamente, sinta todos os músculos relaxados.

Dica 2:Expiração intensa

Você notará que o momento da expiração proporciona relaxamento ao corpo. A técnica é inspirar o ar profundamente, prender a respiração contando mentalmente até 10 e soltarcompletamente o ar pela boca,de uma só vez, deixando o corpo ficar completamente frouxo e mole.

Dica 3: Respiração profunda

Essa técnica também se baseia no efeito relaxante da expiração.

Imagine-se no décimo andar de um edifício. Você vai descer pela escada. Cada respiração (inspiração/expiração) corresponde a um andar dessa descida. Respire lentamente. Concentre-se na sensação de soltura a cada expiração e sinta-se mais relaxado à medida que desce as escadas. A cada andar, solte-se cada vez mais, expirando o ar pela boca.

Dica 4: Calor nas extremidades

Imagine-se deitado(a) numa praia tranquila, absorvendo o calor do sol que chega às suas mãos e a todas extremidades do corpo. Sinta o calor principalmente em seus dedos, nas mãos, nos pés e na cabeça.

O fluxo de sangue para as extremidades do corpo está diretamente relacionado com a descontração.

Dica 5: Suspirar

O suspiro é um ato do organismo em busca de paz. Quando você suspira,seu corpo se alivia de tensões.Para suspirar e ter benefício imediato, basta dizer em voz baixa “oh!” e forçar o suspiro.

Dica 6: Bocejar

O bocejo é outro mecanismo que pode ser utilizado na descontração. Para nossas mentes, ele está intimamente associado ao sono. Assim, provocar o bocejo tende a levar à mente a um estado de relaxamento próximo ao que sentimos quando estamos sonolentos. Experimente encenar que está bocejando, e logo bocejará de verdade.

Dica 7:Relaxando as pálpebras

Ao relaxar partes específicas, todo o corpo se beneficia.

Feche os olhos. Dirija seus pensamentos e imaginação para as pálpebras. Concentre-se nelas e procure relaxá-las. Se preferir, deslize os dedos levemente sobre elas ou faça compressas relaxantes e sentirá profundo bem-estar.

Não permita que a tensão e a ansiedade te tirem do seu foco, que as situações estressantes atrapalhem seu dia e te afastem de seus objetivos. Assuma o controle de sua mente, de seus pensamentos e de suas decisões.

Você conhece outras técnicas de relaxamento? Qual é a sua preferida?Compartilhe conosco nos comentários.

Veja mais sobre Coaching:

Seu Plano de Estudosaiba mais

Impulsionando a sua Memória

Regulou o seu Foco?

Técnicas de Memorização

Conhece o Princípio 10/90?

Confiança e Ansiedade na Aprendizagem

Inteligência se Aprende

6 Dicas para Você Concretizar suas Decisões

image

*ANA CAROLINA MENDONÇA é Master Coach com certificação Internacional em Coaching Integral Sistêmico, nas especialidades Life e Executive Coaching. Formada em Ciências Contábeis – Universidade de Brasília, com pós-graduação em Controle e Auditoria Públicos. Atuou no Banco Central do Brasil e no Tribunal Superior do Trabalho e desempenha função no Conselho Superior da Justiça do Trabalho.

Concursos na Jurisprudência do STF

Postado em

Cláusula de barreira

em concurso é

constitucional

justica

O Supremo Tribunal Federal decidiu, durante a sessão desta quarta-feira (19/2), que é constitucional a utilização da cláusula de barreira em concursos públicos. Os ministros deram provimento ao Recurso Extraordinário 635.739, apresentado pelo governo de Alagoas contra decisão do Tribunal de Justiça daquele estado. O TJ-AL havia declarado inconstitucional edital que previa a eliminação de candidato que, mesmo com nota para a aprovação, tivesse colocação além do dobro do número de vagas oferecidas. O entendimento do Supremo será aplicado a casos análogos que estão com a tramitação suspensa em outros tribunais.

O TJ-AL manteve a sentença que considerou a eliminação do candidato, em concurso para cargos de agente da Polícia Civil, irregular, por ferir o princípio da isonomia. O governo estadual recorreu argumentando que a cláusula do edital é razoável e que os critérios para restrição de convocação de candidatos entre fases são necessários por conta da dificuldade para selecionar os melhores candidatos entre todos os inscritos.

Para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a fixação de cláusula de barreira não representa quebra do princípio da isonomia.

Janot apontou que a cláusula do edital previa limitação prévia objetiva para que os candidatos aprovados nas sucessivas fases continuassem no concurso, e isso não representa abuso, nem contraria o princípio da proporcionalidade. De acordo com o procurador-geral da República, “como se trata de cláusula geral, abstrata, prévia, fixada igualmente para todos os candidatos, ela determina de antemão a regra do certame. A administração tem que imaginar um planejamento não só econômico, mas de eficiência do trabalho”.

Relator do recurso, o ministro Gilmar Mendes (foto) apontou que, com o aumento no número de pessoas que buscam as carreiras públicas, é cada vez mais usual que os editais apontem critérios para restringir a convocação de candidatos entre uma fase e outra. Ele disse que essas regras podem ser eliminatórias, como as nota de corte ou testes de aptidão física, ou de barreira, que limitam a participação na fase apenas a um contingente pré-determinado de candidatos, beneficiando aqueles que tenham obtido a melhor classificação.

O ministro informou que é imprescindível para os concursos públicos o tratamento impessoal e igualitário, citando que a impessoalidade permite à administração que sejam qualificados e selecionados os candidatos mais aptos para determinada função. De acordo com ele, “não se pode perder de vista que os concursos têm como objetivo selecionar os mais preparados para desempenho das funções exercidas pela carreira em que se pretende ingressar”.

Gilmar Mendes argumentou que as regras restritivas previstas nos editais de certames, eliminatórias ou de barreira, são a garantia do princípio da igualdade e impessoalidade em concursos públicos, desde que tenham sido fundadas em critérios objetivos, relacionados ao desempenho dos candidatos. Segundo Mendes, a jurisprudência do STF “tem diversos precedentes em que o tratamento desigual entre candidatos de concurso estava plenamente justificado e, em vez de quebrar, igualava o tratamento entre eles”. Durante a análise do caso concreto, ele disse que a desigualdade entre os candidatos teve como base o critério do mérito, pois os melhores se destacaram e diferenciaram dos demais por suas notas em cada fase do concurso.

“A cláusula de barreira elege critério diferenciador de candidatos em perfeita consonância com os interesses protegidos pela Constituição”, apontou o relator. Os ministros Roberto Barroso e Luiz Fux, que acompanharam o voto em relação ao mérito, ficaram vencidos ao defender a  modulação dos efeitos da decisão, para que o recorrido fosse mantido no cargo que ocupa há oito anos por força de decisão judicial. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

RE 635.739

FONTE: STF

Coaching para Concursos

Postado em Atualizado em

ENTENDENDO O COACHING

por Ana Carolina Mendonça*

coaching1

Coaching é um processo composto por técnicas, ferramentas e recursos extraídos de diversas ciências e conhecimentos que se complementam para o alcance de metas e objetivos.

O coach (profissional) conduz o processo de forma a, inicialmente, propiciar ao coachee (cliente) compreender sua situação atual bem como projetar sua situação desejada, ou seja, identificar exatamente onde está e aonde se quer chegar. A partir daí, é construído umplano de ação que o conduzirá da posição inicial ao objetivo almejado.

É um processo rápido que produz mudanças positivas e duradouras. O foco do coaching vai além do desenvolvimento das pessoas, pois oferece condições para que elas se autodesenvolvam. O coachassume o papel de ser um catalisador do desenvolvimento do coacheecom o objetivo de encorajá-lo e motivá-lo a maximizar seus resultados,fazendo-o refletir a respeito de diversos aspectos de sua vida, transmitindo capacidades e técnicas comportamentais, psicológicas e emocionais, para que aprimore suas aptidões tanto pessoais quanto profissionais e alcance objetivos previamente estabelecidos.

 Não há nada que seja maior evidência de insanidade do que fazer a

mesma coisa dia após dia e esperar resultados diferentes. (Albert Einstein)

coaching2Mudanças são necessárias para alcançarmos o que desejamos, o coach orienta e conduz a mudança de forma segura e estrutural, levando o coachee a alcançar os resultados almejados. A mudança sem planejamento e segurança compromete todo o sucesso e as metas.

O coaching vem sendo utilizado em diversas áreas de atuação humana, atualmente os principais tipos são:

Life coaching (coaching de vida): objetiva uma melhor qualidade de vida e o próprio desenvolvimento pessoal, com vistas ao equilíbrio emocional, financeiro, familiar, social, espiritual, profissional e intelectual, alinhando valores, missão e propósito de vida do coachee. Durante o processo, ele passa a identificar mais claramente suas crenças limitantes e fortalecedoras, sendo orientado em como eliminar as primeiras e potencializar as últimas, a fim de atingir ganhos tremendos e alcançar plenamente suas metas.

Executive coaching (coaching executivo):voltado para executivos que atuam no ramo público ou privado e que visam o aprimoramento de sua performance e excelência pessoal e nos negócios. O processo focaliza o pilar profissional, de forma a desenvolver competências de liderança, promover ganhos significativos na tomada de decisões, além de gerar equilíbrio emocional e aprimorar os relacionamentos e interações profissionais. O processo identifica e busca conciliar metas, valores, missão e propósito da instituição com asdo coachee, identificando meios de agregar valor.

Coaching para provas e concursos: é específico e direcionado à preparação para concursos públicos, vestibulares, exames de suficiência e provas para titulação de especialidade. Nesse ramo, o coaching é complementado por técnicas de mentoring, uma vez que além da definição de metas claras e a construção de um planejamento de estudos específico e individual, pautado pelas características pessoais de aprendizagem do coachee e o desenvolvimento do equilíbrio emocional que impactará fortemente os resultados finais, serão aprimoradas as técnicas de estudo, com o fim de otimizar o tempo e aperfeiçoar a aprendizagem, e serão definidas estratégias de prova.

“Por que continuar sendo a mesma pessoa de sempre,

se você pode ser alguém muito melhor?” Richard Bandler

———————————————————————————————————-

image*ANA CAROLINA MENDONÇA é coach com certificação Internacional em Coaching Integral Sistêmico, nas especialidades Life e Executive Coaching. Formada em Ciências Contábeis – Universidade de Brasília, com pós-graduação em Controle e Auditoria Públicos. Atuou no Banco Central do Brasil e no Tribunal Superior do Trabalho e desempenha função no Conselho Superior da Justiça do Trabalho.