eficiência.

Coaching para Concursos

Postado em Atualizado em

* por Ana Carolina Mendonça

 coaching

O brincar é uma experiência de descobertas com poder estruturador no ser humano. Divertir-se com cada experiência do cotidiano é, antes, um estilo de vida!

Longe de propor um resgate à infância – pois isso infantilizaria o adulto – o termo brincar está sendo utilizado como uma forma de nos lembrar o espírito lúdico, livre e pleno que existia com mais potência em cada um de nós quando crianças.

É pelo brincar e pelo se divertir que nos permitimos mais leveza nas nossas vidas e nas relações com o outro.

“É no brincar, e talvez apenas no brincar, que a criança ou o adulto fruem na sua liberdade de criação, é no brincar, e somente no brincar, que o indivíduo, criança ou adulto, pode ser criativo e utilizar sua personalidade integral: e é somente sendo criativo que o indivíduo descobre o eu”

(Winnicott, 1971/1975: 79-80).

Estudos mostram que indivíduos que viveram uma infância lúdica, com brinquedos e brincadeiras, jogos de raciocínio e de coordenação chegam à fase adulta com uma melhor formação para vida.

É por meio do jogo e da brincadeira que o indivíduo preserva a sua espontaneidade, aprende a achar solução para problemas, aprende a colaborar, a conviver com os outros e com o diferente, aprende a pesquisar, a ver tudo que existe com olhar criativo. É no brincar que surgem as invenções.

É possível aprender brincando, é possível trabalhar se divertindo, e mesmo assim manter a seriedade, o compromisso e a responsabilidade no que se faz. Aliás, você já reparou como as crianças levam a sério os jogos e as brincadeiras?

É pelo brincar que se torna possível ao homem integrar aspectos dissociados dentro de si e possibilitar uma experiência de viver seu verdadeiro eu. O brincar é terapêutico em si mesmo, pois o indivíduo pode usufruir de sua personalidade de forma integral.

A vida é uma enorme dádiva! Feliz daquele que consegue se divertir enquanto cresce e evolui como pessoa em busca do seu ideal e dos seus sonhos.

 

E você, qual o peso do seu dia a dia?

Você gostaria de torná-lo mais leve e ao mesmo tempo mais eficiente?

O quanto tem se divertido?

O quanto a sua criatividade tem alavancado a sua carreira e os seus relacionamentos?

O quanto você tem se podado?

A sua vida hoje é colorida ou é uma escala de cinza?

O seu dia a dia te torna uma pessoa mais feliz?

Qual o seu nível de bem-estar?

Aproveite a sua semana!

foto_pose_5ANA CAROLINA MENDONÇA é Master Coach com certificação nas especialidades Life e Executive Coaching, pela Federação Brasileira de Coaching Integral Sistêmico, em parceria com a Florida Christian University. Palestrante e Articulista Semanal em Coaching. Servidora pública com atuações no Banco Central do Brasil, no Tribunal Superior do Trabalho e no Conselho Superior da Justiça do Trabalho e com experiências em Planejamento Estratégico, Escritório de Processos e Gerência de Projetos.

Contato: (61) 8413-8543 –

anacarolina@coachee.com.br  // www.coachee.com.br

**O Coaching é uma metodologia que permite você compreender melhor a sua situação atual, definir exatamente onde você quer chegar e projetar ações efetivas para alcançar os seus objetivos! Conheça mais e se surpreenda com os seus próprios resultados!!

Veja mais sobre Coaching:

Dicas para evitar o Estresse

Seu Projeto Possui Certificado de Qualidade?

Juntos na Caminhada

Deixar o emprego para estudar é uma boa ideia?saiba mais

Siga em frente!

A Copa das Copas

Faça da Música sua Aliada

Sempre Avante

Tempo: o seu bem mais precioso

Organizar e Aprender

Segredos do Sono Reparador

Quantas Horas Estudar?

Acompanhe, curta e compartilhe

Washington Luís Batista Barbosa

http://www.washingtonbarbosa.com

http://www.facebook.com/washingtonbarbosa.professor

Direito Administrativo

Postado em Atualizado em

Por Mariano Borges

adm

Princípio da Legalidade: forma o regime jurídico administrativo (regras gerais) que por sua vez é baseado em poderes e deveres especiais do estado.

– Binômio da legalidade: Prerrogativas (privilégios) e sujeições (limites) do estado.

– Vantagens da Fazenda Pública: prazos processuais – 2x para recorrer e 4x para contestar nos processos judiciais que faça parte, recursos de ofícios em execução de créditos fiscais, emitir precatórios – execução direita de dívida, obrigatoriedade do duplo grau de jurisdição.

I – Supremacia do interesse público

II – Indisponibilidade do interesse público

Obs. Sem deixar de resguardar os interesses privados, Ex.: desapropriação (avaliação prévia, indenização), artigo 78, XV da lei no 8666/93 (exceptio non adimpleti contractus – a administração pública poderá ficar até 90 dias inadimplente com particular e este não pode interromper o serviço público que presta).

Estas prerrogativas também são extensivas aos órgãos e autarquias e a própria fazenda pública.

Obs.: Indisponibilidade é diferente de inalienabilidade – o primeiro está ligado ao uso e o segundo ao uso/fruto dos bens públicos.

Questão: A administração pública só pode fazer o que a lei determina ou expressamente autoriza, a administração pública só atua onde haja previsão legal (definição do princípio da legalidade).

Princípio da Impessoalidade:

Igualar os iguais e desigualar os desiguais, a administração deve propiciar a todos as mesmas oportunidades.

Desdobramento:

a) Isonomia – todos terão o mesmo acesso aos mesmos direitos e as mesmas obrigações.

b) Finalidade – busca pelo interesse público

c) Vedação a autopromoção

d) Teoria da imputação do órgão – é quando o agente atua representado um órgão agindo assim em nome deste.

Obs.: (imputação (ao estado) é diferente de responsabilização (do agente))

Obs.: Nepotismo – lei no 8112/90 prevê até o 2o grau de parentesco, mas a Súmula vinculante no 13 do STF ampliou prevendo – o até o 3o grau de parentesco, o STF utilizou para tanto os seguintes princípios: moralidade, impessoalidade e eficiência.

A nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica investido em cargo de direção, chefia ou assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de confiança ou, ainda, de função gratificada na administração pública direta e indireta em qualquer dos poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, compreendido o ajuste mediante designações recíprocas, viola a Constituição Federal.

Princípio da Moralidade:

É o princípio da probidade, honestidade, lealdade, boa fé.

Ética – senso comum

Moral – senso particular (comportamento)

Lei – moral jurídica (obrigações e proibições definidas em lei)

Princípio da Publicidade:

Tornar publica, do conhecimento de todos, a atuação administrativa por obrigação de lei é o instituto de dar efetividade aos atos administrativos, é a regra embora não possua um caráter absoluto.

– Onde?

a) Onde a lei determinar

b) Onde a produção de efeitos exigir – eficácia

Sigilo é obrigatório: nos casos que dizem respeito à segurança nacional, em investigação policial, nos casos de relevante interesse da administração pública.

Obs.: CF, artigo 37, § 3o – regulação da participação dos usuários: acesso a atos/ registros de governo – dados, reclamações administrativas por meio da ouvidoria, poder do particular de representar/denunciar a administração.

Obs.: Pode ser cobrado custas de reprodução – cópias, mas o acesso independe de emolumentos (lucro, tipo de taxa) e para garantia de instância – para fins de recurso.

Princípio da Eficiência: (EC no 19/98)

CF – estabilidade: passou de 2 para 3 anos

Lei no 8112/90: prazo de estágio probatório – 2 anos

STF/STJ – estabilidade – Estágio probatório deve igualar ao prazo da estabilidade com o fim de garantir o princípio da eficiência.

Veja Também:

Divisões Orgânicas das Funções do Estado

Atributos do Ato Administrativo

Reforma Administrativa e Terceiro Setor

Entidades em Espécie

A lei como fonte do Direito Administrativo

MORALIDADE E MORAL NO DIREITO ADMINISTRATIVO

Processo administrativo disciplinar é desnecessário para exoneração em estágio probatório

Falhas em processo administrativo determinam recondução de delegado ao cargo

Bons Estudos!

MarianoMariano Borges é advogado militante, pós-graduado em direito do trabalho, tributário, administrativo e processual.

Professor de cursos preparatórios para concursos, pós-graduações e graduações em Brasília e outras unidades da federação.

 

 

 

Acompanhe, curta e compartilhe!

Washington Luís Batista Barbosa

http://www.washingtonbarbosa.com

http://www.facebook.com/washingtonbarbosa.professor

Coaching para Concursos

Postado em Atualizado em

O DOMÍNIO

DA MATÉRIA

* por Ana Carolina Mendonça

 

CollegeKidsStudyingSmaller

 

Após uma sessão de estudos, você se sente capaz de dar uma aula sobre o tema, realizar uma boa prova, enfim, aplicar o conhecimento aprendido? E após várias sessões de estudos da mesma matéria, você se sente preparado?

 Na preparação para provas e concursos, a etapa de planejamento avalia e define o nível de profundidade requerido para cada disciplina. Após isso, o que fazer com aquelas disciplinas que exigem domínio da matéria?

 Para adquirir o domínio de um tema é necessário transformar o conteúdo em uma competência intelectual.

 Isso significa dizer que ter o domínio da matéria não é, simplesmente, ter ciência de um determinado conteúdo, existem outras etapas que também compõem a aprendizagem.

 O Processo do Domínio Cognitivo foi definido por Jonhson & Johnson (1971)  como um caminho lógico composto por 6 fases:

 Fase 1 – Conhecimento:

A informação verbal é guardada na memória. Você é capaz de definir, enunciar, repetir, recordar e  relacionar o conteúdo.

 Fase 2 – Compreensão:

Além da memória, há interpretação da informação ou vivência. você conseguirá descrever, explicar e discutir o assunto.

 Fase 3 – Aplicação:

Além da memória e da interpretação, você já é capaz de empregar o conhecimento, interpretar, usar, demonstrar.

 Fase 4 – Análise:

Ao ser capaz de refletir sobre o tema, você conseguirá analisar, distinguir, diferenciar, experimentar, comparar e categorizar o aprendizado. Nessa fase, são envolvidas várias habilidades intelectuais.

 Fase 5 – Síntese:

É uma fase mais evoluída da interpretação, pois os conhecimentos são internalizados, por meio de esquemas e fórmulas. A partir disso, é possível, inclusive, desenvolver conceitos próprios. Ou seja, além de interpretar o que existe, é capaz de planejar, criar e construir.

 Fase 6 – Crítica ou Avaliação:

Essa é a fase em que você será capaz de assumir posicionamento crítico, tomar decisões e resolver problemas, seja por meio de regras conhecidas ou com o uso da criatividade.

 Avançando as fases do Domínio Cognitivo você evolui também o seu nível de raciocínio. Para isso, a ideia é você treinar as habilidades indicadas em cada etapa e ser capaz de realizar cada uma.

 No entanto, como salientado anteriormente, nem todos os assuntos exigem o pleno domínio do conteúdo. Para alguns, bastará ter o conhecimento, para outros, a compreensão. Ter uma clara definição do objetivo a ser alcançado e um planejamento otimizado serão peças fundamentais na avaliação da importância de cada matéria e na identificação do nível de profundidade exigido de cada uma.

 Na sua próxima revisão de estudos, experimente testar as capacidades listadas em cada fase (começando da fase 1 em direção à fase 6) e verifique em que nível você se encontra para cada matéria. Compartilhe seus resultados, suas dúvidas e questionamentos!

 Bons Estudos!

Veja mais sobre Coaching:saiba mais

Interesse pela Leitura

Você: Aliado ou Inimigo

Construir a Aprovação

Ensine seu cérebro a produzir energia e não a disperdiçá-la

Excelência: Estado de Fluxo

Qual o seu Estilo de Aprendizagem

Relaxamento Instantâneo

Seu Plano de Estudo

Impulsionando a sua Memória

Regulou o seu Foco?

Técnicas de Memorização

Conhece o Princípio 10/90?

Confiança e Ansiedade na Aprendizagem

Inteligência se Aprende

6 Dicas para Você Concretizar suas Decisões

imageANA CAROLINA MENDONÇA é Master Coach com certificação Internacional em Coaching Integral Sistêmico, nas especialidades Life e Executive Coaching, pela Federação Brasileira de Coaching Integral Sistêmico, em parceria com a Florida Christian University. Palestrante e Articulista Semanal em Coaching para Concursos. Com experiências no Banco Central do Brasil e no Tribunal Superior do Trabalho, onde participou do Planejamento Estratégico Institucional, exerceu a Gerência de Projetos, dentre eles, a estruturação do Escritório de Processos. Atualmente, concilia suas atividades no Conselho Superior da Justiça do Trabalho com o trabalho no Coaching.

Contato: (61) 8413-8543 – anacarolina@coachee.com.br

Coaching para Concursos

Postado em Atualizado em

INTERESSE

PELA LEITURA

* por Ana Carolina Mendonça

curso-de-leitura-dinamica

Qual o seu nível de concentração e de aproveitamento em leituras para estudo? Você gosta de ler? Você se distrai estudando?

 Você é do tipo de pessoa que ao tomar um livro para estudar gasta mais tempo pensando na vida e relendo a matéria que acabou de ler para tentar entendê-la, do que efetivamente prestando atenção na leitura?

 Se a resposta for afirmativa, provavelmente você está diante de obstáculos que te impedem ou dificultam de produzir uma leitura eficiente e que, terminam gerando um desinteresse pela leitura.

 Esse desinteresse é, ao mesmo tempo, causa e consequência da falta de concentração e da lentidão na leitura, bem como da baixa captação de conhecimento. Por isso, a importância de se trabalhar o interesse pela leitura, sendo essa uma das bases do coaching para concursos.

 Ao mesmo tempo que o desinteresse é causador da diminuição da concentração, da velocidade da leitura e, consequentemente, da captação de conhecimento, ele também é reforçado após uma sessão de estudos “improdutiva”.

 E quais são esses obstáculos que desencadeiam o desinteresse pela leitura?

O que você pode fazer diferente para superá-los?

 a)     Ambiente de estudos inapropriado: A organização do ambiente retrata a organização da mente. Um ambiente de estudos silencioso, organizado e adequadamente iluminado, impactam positivamente no resultado da leitura. (leia mais em Qual é o seu estilo de aprendizagem?)

 b)     Falta de motivação: O desânimo é uma das grandes ameaças ao estudo, bem como a todo e qualquer projeto. A motivação está intrinsecamente relacionada ao comprometimento com o planejamento, ao engajamento no projeto, bem assim ao significado da preparação para o candidato. (leia mais em Entendendo o coaching e Seu Plano de Estudos)

 c)      Falta de concentração: Esse é um obstáculo comumente relatado por candidatos. Para adquirir concentração é preciso definir bem o seu foco. Ademais, com o uso de técnicas específicas de concentração você alcançará melhor rendimento na leitura e na aprendizagem. (leia mais em Regulou o foco? e Excelência: Estado de Fluxo)

 d)     Vocabulário reduzido: Você já deve ter notado que ao ler um texto de palavras “difíceis”, cujo significado você desconheça, a leitura perde a fluidez. Quão mais familiarizado você estiver com o vocabulário próprio do conteúdo lido, melhor será o seu aproveitamento. Uma dica é iniciar os estudos por textos mais simples.

 e)     Pressa e falta de tempo: A pressa é uma preocupação que interfere diretamente na absorção e retenção da informação lida. Ler com pressa acaba por se tornar uma perda de tempo. Melhor investir em um bom planejamento de estudos e organizar melhor o seu tempo (leia mais em Construir a aprovação).

 f)       Ansiedade: A grande vilã da aprendizagem e do bom rendimento em provas e concursos. O estado mental e emocional da ansiedade dificulta a captação e a retenção do conhecimento lido. Sobre o assunto, leia mais em Confiança e Ansiedade na aprendizagem e Você: aliado ou inimigo?.

 É importante que você reconheça a existência desses obstáculos e avalie se você está diante de algum ou alguns deles. Esse é o primeiro passo para buscar meios de superá-los.

 Se você gostou, ficou em dúvida ou tem alguma sugestão, deixe seu comentário! Será muito bem-vindo!

 Bons estudos!!

Veja mais sobre Coaching:saiba mais

Você: Aliado ou Inimigo

Construir a Aprovação

Ensine seu cérebro a produzir energia e não a disperdiçá-la

Excelência: Estado de Fluxo

Qual o seu Estilo de Aprendizagem

Relaxamento Instantâneo

Seu Plano de Estudo

Impulsionando a sua Memória

Regulou o seu Foco?

Técnicas de Memorização

Conhece o Princípio 10/90?

Confiança e Ansiedade na Aprendizagem

Inteligência se Aprende

6 Dicas para Você Concretizar suas Decisões

image

ANA CAROLINA MENDONÇA é Master Coach com certificação Internacional em Coaching Integral Sistêmico, nas especialidades Life e Executive Coaching. Formada em Ciências Contábeis – Universidade de Brasília, com pós-graduação em Controle e Auditoria Públicos. Atuou no Banco Central do Brasil e no Tribunal Superior do Trabalho e atualmente trabalha no Conselho Superior da Justiça do Trabalho.

Contato: (61) 8413-8543 – anacarolina@coachee.com.br