Coaching

Técnicas de Memorização

Postado em Atualizado em

Memórias Episódicas

para Lembrar

Conceitos nas Provas

 memorização

O uso e mobilização da memória, enquanto função cognitiva, trata-se de tema estratégico e de grande importância no processo de preparação para concursos públicos. Não por acaso existem vários textos publicados aqui no Blog que tratam do presente assunto, com diversas abordagens.

Inclusive as memórias episódicas já foram abordadas em outro texto específico. Mas o objetivo agora é trabalhar com as memórias episódicas em outro sentido, apresentando uma nova modalidade de aplicação útil deste conceito.

Primeiramente, cabe esclarecer que, quanto ao objeto memorizado, as memórias semânticas, que são aquelas que não contam com natureza psicomotora, se dividem em conceituais, as quais correspondem aos conceitos e informações que aprendemos, bem como episódicas. Estas, por sua vez, consistem naquelas que contam com um caráter factual, ou seja, uma experiência real e vivenciada (IZQUIERDO, Ivan. “Memória”. Porto Alegre: Artmed, 2002, págs. 16/17).

Geralmente, no processo de preparação para concursos, somente trabalhamos e pensamos na formação de memórias conceituais. Mas as memórias episódicas também podem ser bastante úteis e trabalhadas de forma estratégica, principalmente no processo de evocação, isto é, de recordação da informação que precisamos resgatar, inclusive nas provas.

Como assim?

Por vezes pode ser que o resgate da informação ou conceito seja viabilizado exatamente a partir da experiência real vivenciada no contato que tivemos com este conceito, ou mesmo envolvendo uma situação real na qual este conceito foi aplicado.

Vou dar um exemplo banal, mas que reflete a ideia e facilita a sua compreensão.

Havia uma palavra em inglês quanto a qual eu tinha certa dificuldade em memorizar. Naturalmente que as causas desta “dificuldade” – sendo que tenho dúvidas se esta é a palavra certa, por si só, daria um longo estudo e reflexão. Faço tal afirmação pois, por vezes, a causa da não viabilização da memorização e capacidade de evocar uma informação decorre do processo de contato ou estudo que foi realizado (clique aqui para ler uma experiência interessante e útil que tive, exposta no texto sobre Técnicas Mnemonicas).

Mas o fato é que aquela palavra, apesar dos vários contatos que eu tinha tido, não conseguia lembrar. Um dia, numa determinada ocasião específica, estava lendo um livro em inglês, com a minha esposa ao lado. E apareceu a tal palavra (na verdade era um verbo). Naquele momento, me lembro até de uma terceira pessoa que se aproximava para nos abordar, a qual saiu logo em seguida. Daí, como não me lembrava da palavra, indaguei minha esposa se ela sabia, a qual sabia e me esclareceu.

A partir daquele momento, sempre que vou evocar aquela palavra, a mencionada experiência episódica me vem à mente, antes mesmo da tomada de consciência da evocação do significado da palavra, a qual vem logo em seguida.

Mas o que ocorreu naquela experiência e o que ocorre quando me lembro a palavra da mencionada maneira?

Resposta: eu resgato uma memória conceitual a partir de uma memória episódica!

O Prof Antonio Damásio, neurocientista e neurologista, uma das maiores autoridades da neurociência na atualidade, coloca em um dos seus livros um relato sobre uma situação na qual estava em casa e, de repente, lembrou de um antigo amigo, bem como de experiências vivenciadas com este amigo. Daí começou a estudar e analisar a causa daquela evocação espontânea. Após longas investigações, levantamento de hipóteses e estudos, ele constatou que havia feito um movimento ao andar semelhante à forma como o seu amigo andava. (“E o cérebro criou o homem”. São Paulo: Companhia das Letras, 2011, p. 168).

Ou seja, uma memória psicomotora, inclusive de forma inconsciente, levou à evocação de uma memória episódica.

Tudo bem, mas como a ideia apresentada pode ajudar nos concursos públicos?

De várias formas e, desde já, comece a pensar nisto! Aliás, a minha proposta é apresentar conceitos e provocar reflexões estratégicas e atitudes pragmáticas e utilitáriasNão é a intenção vender verdades absolutas e fórmulas mágicas fechadas, ao contrário do que há por aí, por parte dos especialistas (sem especialização) em preparação para concursos.

Mas uma sugestão importante é que, por exemplo, ao estar fazendo uma prova e precisar evocar um conceito que não consegue lembrar, tente lembrar da experiência ou situação na qual teve contato com este conceito. Como no caso da experiência acima narrada.

Por outro lado, ao tomar contato com conceitos, ou seja, ao estudar individualmente ou assistir uma aula, tenha atenção às circunstâncias, pois a evocação destas circunstancias (memória episódica) pode ajudar na evocação do conceito ou informação exigidos no momento da prova (memória conceitual).

Portanto, tende usar as memórias episódicas como uma aliada!

543450_330382563683210_301636433_nProf. Rogerio Neiva:

  • Juiz do Trabalho desde 2002
  • Procurador de Estado de junho de 1999 a agosto de 2000
  • Advogado da União (AGU) de março de 2001 a agosto de 2002
  • Professor Universitário (graduação e pós graduação) – desde de 2000
  • Professor de Cursos Preparatórios para Concursos – desde 2000
  • Pisocopedagogo com pós graduação latu sensu em psicopedagogia clínica e institucional
  • Pós Graduado latu sensu em Direito Público – UDF
  • Pós Graduado em Administração Financeira – FGV
  • Pós Graduando em Neuroaprendizagem
  • Desenvolve orientação voltada à preparação para concursos públicos, a partir de abordagem empírica e científica, trabalhando com três eixos conceituais: Planejamento, Aprendizagem e Gestão Emocional
  • Vice-Coordenador da Escola da Magistratura do Trabalho da 10ª Região – Gestão 2005/2007 e 2009/2011
  • foi membro da Comissão do Conselho Nacional de Justiça instituída para estudos sobre a Emenda Constitucional 62
  • Criador do SISTEMA TUCTOR

Autor dos Livros:

Anúncios

COACHING PARA CONCURSOS

Postado em Atualizado em

CONHECE O PRINCÍPIO

10/90?

* por Ana Carolina Mendonça

 

 escolha_1

Quando acontece algo fora dos seus planos, como você reage? Quando a ação de outra pessoa resulta em uma completa alteração de planejamento, como você se sente?

Tenha sempre em mente que 10% da sua vida está relacionado com as circunstâncias que ocorrem a você, independentemente da sua vontade, e os outros 90% estão relacionados com a forma como você reage ao que se passa com você.

Assim,o Princípio 10/90 nos diz que podemos não estar em pleno controle sobre 10% do que nos acontece, fruto das circunstâncias, como: estar chovendo, o fornecimento de energia ser interrompido, o sinal de trânsito ficar vermelho, a via engarrafar, o pneu do carro furar, o avião atrasar… Mas, é você, unicamente você, quem determinará os outros 90%. Como? Com a sua reação.

 É possível que um dia você esteja tomando o café da manhã, quando seu filho, ao pegar a xícara, deixa o café cair na sua camisa branca de trabalho. Você não tem controle sobre isto, mas o que acontecerá em seguida será determinado por sua reação.

Então, você se irrita. Repreende o menino e ele começa a chorar. Aí você é grosseiro com a sua esposa porque ela colocou a xícara na beirada da mesa. E decorre daí uma batalha verbal! Contrariado, você vai mudar de camisa. Quando volta percebe que o filho acabou perdendo o ônibus para a escola. A esposa vai para o trabalho, também contrariada. Você tem de levar seu filho para a  escola. Como está atrasado, dirige em alta velocidade e é multado. Chegam, e  o filho sai do carro sem se despedir.Ao chegar atrasado no escritório, você percebe que esqueceu a pasta!

Definitivamente o dia começou mal e, nesse compasso, ele só tende a piorar. Quando, enfim, o dia termina e você volta para casa, todos na sua família estão com a cara fechada, silenciosos e frios com você.

Mas,por que seu dia foi péssimo? Qual foi a causa?

A) o café?

B) seu filho?


C) sua esposa?

D) a multa?


E) sua reação?

A resposta correta, óbvio, é a E! Por causa de sua reação no café da manhã!Pense bem:Você não teve controle sobre o que aconteceu, mas poderia ter reagido de forma diferente.

 Você diz ao seu filho: “Está bem, você só precisa ter mais cuidado”.

Depois de pegar outra camisa e a pasta, você olha pela janela e o vê pegando o ônibus. Dá um sorriso e ele retribui, dando um tchau!

 Notou a diferença?

Duas situações iguais que terminam muito diferente. Por quê? Porque os outros 90% são determinados por sua reação.

 BONS ESTUDOSCom os estudos será a mesma coisa!No trânsito engarrafado, você pode escutar uma áudio aula ou ficar emburrado. Na biblioteca, ter uma pessoa ao seu lado barulhenta e atrapalhada pode te exercitar a concentração para o dia da prova. Se no meio dos estudos ficou doente, pode dedicar suas energias para se tratar o mais breve possível, ou gastar seu tempo lamentando que essas coisas só acontecem com você.Se o seu vôo está atrasado, você pode discutir com o atendente do aeroporto ou aproveitar o tempo para ler e revisar a matéria.

 Por que permitir que comentários negativos te afetem? Não arruíne o seu dia!

 E você, como reage nesses tipos de situações?

Compartilhe suas atitudes positivas e dicas no campo comentários!

 VEJA MAIS SOBRE COACHING

Confiança e Ansiedade na Aprendizagem

Inteligência se Aprende

Seis Dicas para Concretizar suas Decisões

image*ANA CAROLINA MENDONÇA é coach com certificação Internacional em Coaching Integral Sistêmico, nas especialidades Life e Executive Coaching. Formada em Ciências Contábeis – Universidade de Brasília, com pós-graduação em Controle e Auditoria Públicos. Atuou no Banco Central do Brasil e no Tribunal Superior do Trabalho e desempenha função no Conselho Superior da Justiça do Trabalho.

 

 

 

Sexta-Feira é dia de Afiar o Machado

Postado em Atualizado em

Coaching para Concursos

Postado em Atualizado em

CONFIANÇA E ANSIEDADE

NA APRENDIZAGEM

*por Ana Carolina Mendonça

 

aprendizagem

Estudar é para você um momento de sofrimento ou de alegria? É um martírio ou um empolgante desafio? Se a resposta foi um sofrimento ou um martírio, talvez seja o momento de despertar para a magia dos estudos e da aprendizagem!

 Por que não transformar os seus estudos em um momento prazeroso e divertido?

Brain-cartoonQuando criança era assim que você encarava a aprendizagem, você aprendia brincando, cantando, se desafiando e se divertindo. E aprendia de forma mais rápida e para a vida toda!

No entanto, o aprendizado vem naturalmente seguido de testes. Desafios como cantar na frente dos parentes, responder a desafios de aritmética, participar das apresentações de teatro na escola ou de torneios infantis de esportes individuais ou coletivos moldam a forma como as crianças passam a encarar as provas da vida.

Diante desses testes, ser bem-sucedido reforça a autoestima e cria uma associação positiva aos testes e exames (crença fortalecedora). Por outro lado, as crianças que se sentem constrangidas, fracassadas ou ridicularizadas tendem a fazer uma associação negativa(crença limitante) quanto às provas e até mesmo a sua capacidade de aprendizado.

É nesse momento que muitas pessoas criam barreiras não apenas vinculadas aos testes e exames, mas também ao processo de aprendizagem, transformando aquilo que era prazeroso e divertido, em um momento de sofrimento.

Tomado por suas crenças limitantes na aprendizagem, o principal vilão do indivíduo é o medo, que frequentemente se apresenta sob a forma de ansiedade. Pensamentos negativos, preocupações e dificuldade de concentração prejudicam seu processo de aprendizagem e sua performance em provas, o que reforça, ainda mais, a insegurança e a crença limitante.

 De modo inverso, as pessoas imbuídas em crenças fortalecedoras percebem o momento da realização da prova de forma leve, positiva e desafiadora. O que propicia melhores resultados e a uma reafirmação da confiança.

 A boa notícia é que uma crença construída na infância não é imutável, ela poderá ser trabalhada e transmutada!

 Os resultados obtidos no processo de coaching mostram a desassociação das crenças negativas do passado, que limitam a performance do indivíduo, e a construção de novas crenças fortalecedoras, que o conduzirão a extraordinários ganhos de qualidade.

 Nas próximas semanas abordarei dicas para melhorar o rendimento na aprendizagem.

E você, que dificuldades enfrenta nos estudos? O que limita sua confiança? Deixe suas dúvidas e opiniões em forma de comentário.

BONS ESTUDOSSe você decidiu estudar, se a sua meta é obter o registro na OAB ou passar no sonhado concurso público:

ü   transforme sua trajetória e sua preparação em um prazer;

ü   tome gosto pelo estudo e ele se tornará mais proveitoso;

ü   vocêdesenvolverá sua autoconfiança e alcançará melhores resultados;

ü   não espere começar a aprender para, então, gostar da matéria. Comece gostando da matéria, e logo você a aprenderá.

 

BONS ESTUDOS!

 

image*ANA CAROLINA MENDONÇAé coach com certificação Internacional em Coaching Integral Sistêmico, nas especialidades Life e Executive Coaching. Formada em Ciências Contábeis – Universidade de Brasília, com pós-graduação em Controle e Auditoria Públicos. Atuou no Banco Central do Brasil e no Tribunal Superior do Trabalho e desempenha função no Conselho Superior da Justiça do Trabalho.

Coaching para Concursos

Postado em Atualizado em

INTELIGÊNCIA SE APRENDE

Por Ana Carolina Mendonça*

cérebro

Por muito tempo se acreditou que inteligência era algo inato, alguns nasciam inteligentes enquanto outros deveriam se contentar com a “ dura realidade” de serem desprovidos dessa virtude. Entretanto, os avanços científicos têm derrubado esse mito e demonstrado que inteligência se aprende e se aperfeiçoa.

 É verdade que, ao nascermos, nosso cérebro não é uma folha de papel em branco, somos dotados de algumas habilidades e conhecimentos mínimos instintivos (como respirar, sugar, chorar) que nos permitem a sobrevivência nos primeiros momentos de vida. No entanto, a inteligência, propriamente dita, apresenta-se como um imenso potencial a ser exercitado e desenvolvido com o tempo, ela não existe pronta, o cérebro é que aprende a ser inteligente.

 Do ponto de vista da biologia, a importância da inteligência reside na necessidade evolutiva de aperfeiçoamento das capacidades de sobrevivência, a fim de tornar o ser mais adaptável, criativo e capaz de superar as situações adversas.

 A palavra inteligência, segundo o dicionário Larousse, além de indicar o “conjunto das funções mentais que têm por objeto o conhecimento conceitual e racional”, significa também “aptidão, capacidade de escolher entre várias alternativas, de se adaptar a diferentes situações, de julgar”. Assim, a inteligência é o entendimento, mas também o discernimento das situações. Ela pode ser medida pela capacidade de se processar dados e informações, gerando decisões e reações.

 A cada necessidade ou dificuldade com que nos deparamos, o cérebro tem a oportunidade de se exercitar, de buscar a solução e desenvolver novas sinapses neurais. E, por isso, há de ser motivo de agradecimento passar pelas dificuldades e problemas que a vida oferece, pois são excelentes oportunidades de crescimento e nos tornam mais fortes e mais inteligentes. E, afinal, o que é um problema? Segundo o dicionário Larousse, significa uma “questão proposta para discussão e resolução”.

 Para a saúde e aprimoramento do cérebro, ele precisa funcionar. É nesse sentido que a rotina se torna uma inimiga, ela não lhe concede a chance de cumprir sua missão. Na rotina, o cérebro não precisa criar, pensar, inovar. E para quebrar a rotina, não é necessário ir muito longe, pode até ser apenas mentalmente. Um bom exercício é imaginar certa situação e projetar como a solucionaria, como reagiria. O cérebro não distingue o real do imaginado, ele buscará a solução da mesma forma.

 O cérebro precisa entender a finalidade do que está realizando, é importante que você diga a ele por que e para que você deseja realizar algo, isso o tornará mais eficaz. Em tudo aquilo que “fazemos só por fazer” perdemos tempo e energia e não alcançamos a excelência. Não tenha receio de “gastar o cérebro”! Ele não se gasta, só se fortalece sempre que o utilizamos!

 No processo de aprendizagem, o cérebro constrói sinapses neurais que serão acionadas “automaticamente” em situações similares, tornando mais ágeis o reflexo e o raciocínio.

 Mas lembre-se que tão importante como buscar meios de aperfeiçoar a capacidade cognitiva e de percepção é aprender a confiar no seu cérebro. Sem ansiedade ele estará livre para encontrar as soluções!

 Esse é um espaço em que compartilho com os leitores temas sobre inteligência, aprendizagem e coaching!

Se você tem interesse ou curiosidade sobre algum assunto específico, deixe seu comentário!

image*ANA CAROLINA MENDONÇA é coach com certificação Internacional em Coaching Integral Sistêmico, nas especialidades Life e Executive Coaching. Formada em Ciências Contábeis – Universidade de Brasília, com pós-graduação em Controle e Auditoria Públicos. Atuou no Banco Central do Brasil e no Tribunal Superior do Trabalho e desempenha função no Conselho Superior da Justiça do Trabalho.

 

 

 

 

O ANO COMEÇOU E AÍ?

Postado em Atualizado em

6 DICAS PARA CONCRETIZAR SUAS DECISÕES

por Ana Carolina Mendonça*

 

 Como-Direcionar-um-Produto-para-um-Público-Determinado-300x225

 

O ano novo chegou e eu lhe convido a refletir: Que resultados você está colhendo hoje? Como está sua vida neste exato momento? Como estará sua vida neste ano que se inicia? E daqui a cinco anos? A Dez anos? Que decisões você está tomando hoje para realizar seus sonhos?

São suas decisões que moldam a pessoa que você se torna. Elas se repercutem diretamente no seu comportamento, na sua comunicação e nas suas atitudes.

O primeiro passo para compreender que o que você será, terá e construirá amanhã é estar consciente de que os resultados colhidos hoje são fruto das suas decisões anteriores.

O poder da decisão está em suas mãos, mas será que você o conhece e o domina plenamente?

Dica 1: Decisão marca o início – Não demore a vida toda para decidir. Apartir da decisão, entra em movimento uma nova causa, efeito, direção e destinação para a sua vida.

Dica 2: Decisão é ação – Decidir implica agir. Se não há ação, você não decidiu realmente. Dessa forma, no momento da tomada de decisão, já dê o primeiro passo.

Dica 3: Tome decisões com frequência – Quanto mais decisões você toma, melhores elas serão. Como tudo na vida, é a prática leva à perfeição. Desfrute!

Dica 4: Aprenda com suas decisões –Independentemente do resultado atingido, sempre haverá ensinamentos. Se o resultado não foi o desejado, está em suas mãos decidir em se punir ou aprender com os erros e tirar lições que possam lhe auxiliar no futuro.

Dica 5: Busque conhecimento –Muito provavelmente no momento da tomada de decisões você não possui todo o conhecimento necessário para a execução da sua meta. Certamente, outras pessoas poderão lhe auxiliar nessa empreitada, invista em aprender.

Dica 6: Comprometa-se com suas decisões – A conquista está no processo de materializar a decisão, no engajamento e no comprometimento com a mudança. Então, quando você pensar em desistir, lembre-se dos motivos que lhe levaram a começar e siga em frente.

Quanto tempo você levará para iniciar as mudanças que deseja em sua vida? O que te impede agora de tomar aquela decisão que você já vem adiando?

A decisão de hoje revelará amanhã quem você é!

UM FELIZ ANO NOVO!

image*ANA CAROLINA MENDONÇA é coach com certificação Internacional em Coaching Integral Sistêmico, nas especialidades Life e Executive Coaching. Formada em Ciências Contábeis – Universidade de Brasília, com pós-graduação em Controle e Auditoria Públicos. Atuou no Banco Central do Brasil e no Tribunal Superior do Trabalho e desempenha função no Conselho Superior da Justiça do Trabalho.

Coaching para Concursos

Postado em Atualizado em

ENTENDENDO O COACHING

por Ana Carolina Mendonça*

coaching1

Coaching é um processo composto por técnicas, ferramentas e recursos extraídos de diversas ciências e conhecimentos que se complementam para o alcance de metas e objetivos.

O coach (profissional) conduz o processo de forma a, inicialmente, propiciar ao coachee (cliente) compreender sua situação atual bem como projetar sua situação desejada, ou seja, identificar exatamente onde está e aonde se quer chegar. A partir daí, é construído umplano de ação que o conduzirá da posição inicial ao objetivo almejado.

É um processo rápido que produz mudanças positivas e duradouras. O foco do coaching vai além do desenvolvimento das pessoas, pois oferece condições para que elas se autodesenvolvam. O coachassume o papel de ser um catalisador do desenvolvimento do coacheecom o objetivo de encorajá-lo e motivá-lo a maximizar seus resultados,fazendo-o refletir a respeito de diversos aspectos de sua vida, transmitindo capacidades e técnicas comportamentais, psicológicas e emocionais, para que aprimore suas aptidões tanto pessoais quanto profissionais e alcance objetivos previamente estabelecidos.

 Não há nada que seja maior evidência de insanidade do que fazer a

mesma coisa dia após dia e esperar resultados diferentes. (Albert Einstein)

coaching2Mudanças são necessárias para alcançarmos o que desejamos, o coach orienta e conduz a mudança de forma segura e estrutural, levando o coachee a alcançar os resultados almejados. A mudança sem planejamento e segurança compromete todo o sucesso e as metas.

O coaching vem sendo utilizado em diversas áreas de atuação humana, atualmente os principais tipos são:

Life coaching (coaching de vida): objetiva uma melhor qualidade de vida e o próprio desenvolvimento pessoal, com vistas ao equilíbrio emocional, financeiro, familiar, social, espiritual, profissional e intelectual, alinhando valores, missão e propósito de vida do coachee. Durante o processo, ele passa a identificar mais claramente suas crenças limitantes e fortalecedoras, sendo orientado em como eliminar as primeiras e potencializar as últimas, a fim de atingir ganhos tremendos e alcançar plenamente suas metas.

Executive coaching (coaching executivo):voltado para executivos que atuam no ramo público ou privado e que visam o aprimoramento de sua performance e excelência pessoal e nos negócios. O processo focaliza o pilar profissional, de forma a desenvolver competências de liderança, promover ganhos significativos na tomada de decisões, além de gerar equilíbrio emocional e aprimorar os relacionamentos e interações profissionais. O processo identifica e busca conciliar metas, valores, missão e propósito da instituição com asdo coachee, identificando meios de agregar valor.

Coaching para provas e concursos: é específico e direcionado à preparação para concursos públicos, vestibulares, exames de suficiência e provas para titulação de especialidade. Nesse ramo, o coaching é complementado por técnicas de mentoring, uma vez que além da definição de metas claras e a construção de um planejamento de estudos específico e individual, pautado pelas características pessoais de aprendizagem do coachee e o desenvolvimento do equilíbrio emocional que impactará fortemente os resultados finais, serão aprimoradas as técnicas de estudo, com o fim de otimizar o tempo e aperfeiçoar a aprendizagem, e serão definidas estratégias de prova.

“Por que continuar sendo a mesma pessoa de sempre,

se você pode ser alguém muito melhor?” Richard Bandler

———————————————————————————————————-

image*ANA CAROLINA MENDONÇA é coach com certificação Internacional em Coaching Integral Sistêmico, nas especialidades Life e Executive Coaching. Formada em Ciências Contábeis – Universidade de Brasília, com pós-graduação em Controle e Auditoria Públicos. Atuou no Banco Central do Brasil e no Tribunal Superior do Trabalho e desempenha função no Conselho Superior da Justiça do Trabalho.