Para Reflexão

Para Reflexão

Postado em Atualizado em

Refelx

Um velho vivia sozinho em Minnesota. Ele queria cavar seu jardim, mas era um trabalho muito pesado. Seu único filho, que normalmente o ajudava, estava na prisão. O velho então escreveu a seguinte carta ao filho, reclamando de seu problema:
“Querido filho”, Estou triste porque, ao que parece, não vou poder plantar meu jardim este ano. Detesto não poder fazê-lo porque sua mãe sempre adorava a época do plantio depois do inverno. Mas eu estou velho demais para cavar a terra. Se você estivesse aqui, eu não teria esse problema, mas sei que você não pode me ajudar com o jardim, pois está na prisão. Com amor, “Papai”.
Pouco depois o pai recebeu o seguinte telegrama:
“PELO AMOR DE DEUS, papai, não escave o jardim” ! Foi lá “que eu escondi os corpos”.
Às quatro da manhã do dia seguinte, uma dúzia de agentes do FBI e policiais apareceram e cavaram o jardim inteiro, sem encontrar nenhum corpo.
Confuso, o velho escreveu uma carta para o filho contando o que acontecera.
Esta foi a resposta:
“Pode plantar seu jardim agora, papai”. “Isso é o máximo que eu posso fazer no momento.”
Ter uma ESTRATÉGIA É FUNDAMENTAL para conseguir coisas que parecem impossíveis.
Assim, é importante repensar nas pequenas coisas que muitas vezes, nós mesmos colocamos como obstáculos em nossas carreiras.
“Ter problemas na vida é inevitável, ser derrotado por eles é opcional”

(Autor Desconhecido)

Aproveite o domingo!

Washington Barbosa

http://www.washingtonbarbosa.com

http://www.facebook.com/washingtonbarbosa.professor

Anúncios

Para Reflexão

Postado em Atualizado em

REfle

Certo dia, um homem observava uma pequena abertura em um casulo. Observando-o por várias horas, ele via o modo como o pequeno animal, uma borboleta, se esforçava para fazer com que seu corpo passasse através daquela abertura.

Então pareceu ao homem que ela não fazia progressos em suas tentativas. Assim, o homem decidiu ajudá-la, abrindo o restante do casulo com uma tesoura. A borboleta, então, saiu facilmente. Mas seu corpo estava murcho, era pequeno e tinha as asas amassadas. O homem continuou a observar a borboleta, porque ele esperava que, a qualquer momento, as asas dela se abrissem e se esticassem, prontas para o vôo. Nada aconteceu.

Na verdade, a borboleta passou o resto da vida rastejando, com um corpo murcho e asas encolhidas. Ela nunca fora capaz de voar. O que o homem não compreendia, em sua gentileza e vontade de ajudar, era que o casulo apertado e o esforço necessário à borboleta para passar através da pequena abertura se tratava do modo com que Deus fazia para que o fluido do corpo da borboleta fosse para suas asas, de modo que ela estaria pronta para voar uma vez que estivesse livre do casulo. Algumas vezes, o esforço é justamente o que precisamos em nossa vida.

Se Deus nos permitisse passar nossas vidas sem quaisquer obstáculos, ele nos deixaria aleijados. Nós não seríamos tão fortes como poderíamos ter sido. Nós nunca poderíamos voar.
(Autor Desconhecido)

Aproveite o domingo!

 

Washington Barbosa

http://www.washingtonbarbosa.com

http://www.facebook.com/washingtonbarbosa.professor

Para Reflexão

Postado em Atualizado em

domingo

 

Desejo que você, nesse “Dia das Crianças”, redescubra a delícia que é ser criança. Porque, como disse Fernando Pessoa: “Grande é a poesia, a bondade e as danças… Mas o melhor do mundo são as crianças”.

 

Ser Criança é …

É aceitar o novo e desejar o máximo.

É acreditar no momento presente com tudo o que oferece.

É aprender a existir, é se sentir amada, pertencente, é poder acreditar que há futuro.

É aventura, é desafio.

É conseguir perdoar muito mais fácil do que brigar.

É esquecer um pouco das responsabilidades sem contudo ser irresponsável.

É gostar de casquinha de sorvete, de bolo de chocolate, de passar a ponta do dedo no merengue.

É gostar de quem olha no olho e fala baixo.

É inventar novas formas de ser criança.

É nascer de novo a cada dia…

É rir e brincar.

É sempre sorrir sempre estar aberto para o novo ser criança.

É ser artista.

É ser conquistador.

É ser herói.
É ser índio e cowboy.
É ser inesquecivelmente feliz com muito pouco.
É ser o sonho, o futuro e a esperança.

É ser Inventor, poeta e escritor.
É ser protagonista.
É ter coragem de não ter medo.
É ter pouca paciência e muita pressa.
É tornar-se gigante diante de gigantescos pequenos obstáculos.
É viver intensamente o presente, não viver condicionado ao futuro nem ruminando o passado.

Ser criança é achar que o mundo é feito de fantasias, sorrisos e brincadeiras.
Ser criança é acreditar num mundo cor de rosa, cheio de pipocas.
Ser criança é acreditar que tudo é possível.
Ser criança é acreditar, esperar, confiar.
Ser criança é adorar deitar na grama, ver figuras nas nuvens e criar histórias.
Ser criança é andar confiante por caminhos difíceis e desconhecidos na ânsia de desvendar mistérios.
Ser criança é aventura, é desafio…

Ser criança é estar em constante estágio de aprendizado, é querer buscar e descobrir verdades sem a armadura da dúvida.
Ser criança é fazer amigos antes mesmo de saber o nome deles.
Ser criança é gostar da brincadeira, do sonho, do impossível.
Ser criança é gostar de fantasias e acreditar nelas.
Ser criança é gostar de sentar na janela e detestar a hora de ir para a cama.
Ser criança é gostar do aconchego de um colo de mãe.
Ser criança é habitar no país da fantasia, viver rodeado de personagens imaginários.
Ser criança é cantar fora do tom e dar risadas se alguém corrige.

Ser criança é chorar sem saber porque.
Ser criança é colar o nariz na vidraça e espiar o dia lá fora.
Ser criança é começar a viver.
Ser criança é comer algodão doce e se lambuzar.
Ser criança é detestar relógios e compromissos. É ter pouca paciência e muita pressa.
Ser criança é errar e não assumir o erro.
Ser criança é estar de mãos dadas com a vida na melhor das intenções.

Ser criança é misturar sorvete com televisão, computador com cheiro de flor, passarinho com goma de mascar, lágrimas com sorrisos.
Ser criança é olhar e não ver o perigo.
Ser criança é pedir com os olhos.
Ser criança é perseguir a felicidade sem se importar com a idade.
Ser criança é poder dormir a hora que tiver vontade ou simplesmente ficar curtindo a cama num dia de frio.
Ser criança é querer ser feliz.
Ser criança é saber embrulhar desapontamentos e abrir caixinhas de surpresas.
Ser criança é saber nada e poder tudo.
Ser criança é ser capaz de perdoar e anestesiar a dor com uma dose de sabedoria genuína e peculiar.
Ser criança é ser feliz com muito pouco.
Ser criança é sorrir e fazer sorrir.
Ser criança é ter o dia mais feliz da vida, todos os dias.
Ser criança é ter sempre uma pergunta na ponta da língua e querer muito todas as respostas.
Ser criança é ter um riso franco esparramado pelo rosto, mesmo em dia de chuva, é adorar deitar na grama, ver figuras nas nuvens e criar histórias.
Ser criança é, também, poder contar com um adulto, ao lado — como apoio e guia — que ensine a ter esperança e fé … É ainda saber ser o adulto que nunca esqueceu da criança que foi um dia… a criança que ainda vive no seu íntimo e que justifica e dignifica todos os tropeços que teve que enfrentar no seu dia-a-dia para aprender a ter fé e acreditar em si próprio e sentir-se forte o suficiente para criar asas e voar para a vida e assim ter o direito de viver, brincar, crescer, sonhar e realizar…

(Autor Desconhecido)

 

Bom Domingo!

Para Reflexão

Postado em Atualizado em

Domingo

O sol anunciava o final de mais um dia  e lá, entre as árvores, estava Andala, um pardal que não se cansava de observar Yan, a grande águia. Seu vôo preciso, perfeito, enchia seus olhos de admiração. Sentia vontade em voar como a águia, mas não sabia como o fazer. Sentia vontade em ser forte como a águia, mas não conseguia assim ser. Todavia, não cansava de segui-la por entre as árvores só para vislumbrar tamanha beleza… Um dia estava a voar por entre a mata a observar o vôo de Yan, e de repente a águia sumiu da sua visão. Voou mais rápido para reencontrá-la, mas a águia havia desaparecido. Foi quando levou um enorme susto: deparou de uma forma muito repentina com a grande águia a sua frente. Tentou conter o seu vôo, mas foi impossível, acabou batendo de frente com o belo pássaro. Caiu desnorteado no chão e quando voltou a si, pode ver aquele pássaro imenso bem ao seu lado observando-o. Sentiu um calafrio no peito, suas asas ficaram arrepiadas e pôs-se em posição de luta. A águia em sua quietude apenas o olhava calma e mansamente, e com uma expressão séria, perguntou-lhe: Por que estás a me vigiar, Andala? Quero ser uma águia como tu, Yan. Mas, meu vôo é baixo, pois minhas asas são curtas e vislumbro pouco por não conseguir ultrapassar meus limites. E como te sentes amigo sem poder desfrutar, usufruir de tudo aquilo que está além do que podes alcançar com tuas pequenas asas? Sinto tristeza. Uma profunda tristeza. A vontade é muito grande de realizar este sonho… – O pardal suspirou olhando para o chão… E disse: Todos os dias acordo muito cedo para vê-la voar e caçar. És tão única, tão bela. Passo o dia a observar-te. E não voas? Ficas o tempo inteiro a me observar? Indagou Yan. Sim. A grande verdade é que gostaria de voar como tu voas… Mas as tuas alturas são demasiadas para mim e creio não ter forças para suportar os mesmos ventos que, com graça e experiência, tu cortas harmoniosamente… Andala, bem sabes que a natureza de cada um de nós é diferente, e isto não quer dizer que nunca poderás voar como uma águia. Sê firme em teu propósito e deixa que a águia que vive em ti possa dar rumos diferentes aos teus instintos. Se abrires apenas uma fresta para que esta águia que está em ti possa te guiar, esta dar-te-á a possibilidade de vires a voar tão alto como eu. Acredita! – E assim, a águia preparou-se para levantar vôo, mas voltou-se novamente ao pequeno pássaro que a ouvia atentamente: Andala, apenas mais uma coisa: Não poderás voar como uma águia, se não treinares incansavelmente por todos os dias. O treino é o que dá conhecimento, fortalecimento e compreensão para que possas dar realidade aos teus sonhos. Se não pões em prática a tua vontade, teu sonho sempre será apenas um sonho. Esta realidade é apenas para aqueles que não temem quebrar limites, crenças, conhecendo o que deve ser realmente conhecido. É para aqueles que acreditam serem livres, e quando trazes a liberdade em teu coração poderás adquirir as formas que desejares, pois já não estarás apegado a nenhuma delas, serás livre! Um pardal poderá, sempre, transformar-se numa águia, se esta for sua vontade. Confia em ti e voa, entrega tuas asas aos ventos e aprende o equilíbrio com eles. Tudo é possível para aqueles que compreenderam que são seres livres, basta apenas acreditar, basta apenas confiar na tua capacidade em aprender e ser feliz com tua escolha!

Autor desconhecido.

Aproveite o domingo!

Washington Barbosa

http://www.washingtonbarbosa.com

http://www.facebook.com/washingtonbarbosa.professor

Para Reflexão

Postado em Atualizado em

Borb

Havia um viúvo que morava com suas duas filhas curiosas e inteligentes.
As meninas sempre faziam muitas perguntas. Algumas ele sabia responder, outras não.
Como pretendia oferecer a elas a melhor educação, mandou as meninas passarem férias com um sábio que morava no alto de uma colina. O sábio sempre respondia todas as perguntas sem hesitar.
Impacientes com o sábio, as meninas resolveram inventar uma pergunta que ele não saberia responder. Então, uma delas apareceu com uma linda borboleta azul que usaria para pregar uma peça no sábio.
– O que você vai fazer?
– perguntou a irmã?
– Vou esconder a borboleta em minhas mãos e perguntar se ela está viva ou morta. Se ele disser que ela está morta, vou abrir minhas mãos e deixá-la voar. Se ele disser que ela está viva, vou apertá-la e esmagá-la. E assim qualquer resposta que o sábio nos der estará errada!
As duas meninas foram então ao encontro do sábio, que estava meditando.
– Tenho aqui uma borboleta azul. Diga-me sábio, ela está viva ou morta?
Calmamente o sábio sorriu e respondeu:
– Depende de você. Ela está em suas mãos.
Assim é a nossa vida, o nosso presente e o nosso futuro. Não devemos culpar ninguém quando algo dá errado. Somos nós os responsáveis por aquilo que conquistamos (ou não conquistamos).
Nossa vida está em nossas mãos, como a borboleta. Cabe a nós escolher o que fazer com ela.
(Autor Desconhecido)

Aproveite o domingo!

 

Washington Barbosa

http://www.washingtonbarbosa.com

http://www.facebook.com/washingtonbarbosa.professor