Direito Administrativo

Postado em Atualizado em

Por Mariano Borges

 Admi

1 – Quanto aos destinatários:

a) Gerais: não tem destinatários específicos, ex.: decreto, os atos gerais produzem efeitos externos;

b) Individuais: produzem efeitos internos, ex.: autorização, nomeação;

2 – Quanto ao alcance:

a) Internos; não geram obrigações aos administrados, ex.: portaria, circulares, obs.: não carecem de publicação em diário oficial.

b) Externos: necessitam de publicação no DO, ex.: contratos, nomeação.

3 – Quanto à formação:

a) Simples: Iniciativa de um único órgão ou agente ou colegiado, ex.: exoneração de servidor, alvará;

b) Composto: um ato principal mais atos acessórios, em regra os autores do ato guardam hierarquia entre si, carecem de ordem, autorização, homologação e afins, ex.: homologação de concurso público.

c) Complexo: somatório de vontades, em regra os autores do ato não guardam hierárquica entre si e todos os atos tem uma mesma importância. ex.: nomeação de presidente do banco central, indicação pelo PR e aprovação pelo SF, nomeação de membro do STJ – lista tríplice + indicação do PR + sabatina do SF.

4 – Quanto à validade:

a) Válido: atendimento de seus requisitos (COM FIN FOR MO OB)

b) Nulo: ilegalidade absoluta

c) Anulabilidade: ilegalidade relativa

5 – Quanto à exequibilidade:

a) Perfeito: cumpriu com todas as formalidades, ex.: nomeação, posse, exercício;

b) Válido: efeitos legais inquestionáveis;

c) Eficaz: vigente e produzindo seus efeitos;

d) Pendente: é perfeito, porém carece de um terno ou de uma providência para ganhar eficácia. (artigo 61, § único da lei nº 8.666/93 – o contrato só produzirá efeito depois de publicado, é um ato perfeito, válido, mas não eficaz);

e) Consumado: já produziu todos os efeitos possíveis, ele não pode ser modificado, ex.: CNH de condutor falecido.

CASO CONCRETO: Futuro condutor que passará nos exames necessários impostos pelo DETRAN e aguardando a chegada da CNH pelos correios. Ato perfeito, válido, mas não é eficaz – ato pendente.

CASO CONCRETO: Servidor que comprou gabarito da prova e que está em exercício, foi demitido pela manhã. Ato perfeito, não é válido, ineficaz, pois a demissão ainda não foi publicada e por isso não produziu seus efeitos.

Obs.: A perfeição é condição obrigatória á eficácia.

6 – Quanto ao desfazimento: (meios de desfazimento):

a) Revogação: causa – mérito administrativo, só alcança atos discricionários e sem vício, ex.: revogação de ponto facultativo em razão do falecimento do prefeito. Efeito: proativos – não retroativos – ex nunc;

b) Atos Irrevogáveis: ato vinculado, viciados (pois estes são anulados), consumados, que façam parte de um procedimento administrativo, que gerem direitos adquiridos, atos enunciativos (declara uma situação individual, ex.: atestado, certidão);

– Quem pode revogar um ato administrativo? Cabe a administração pública a incumbência de revogar os atos administrativos.

– Vide Súmulas nºs. 346 do STJ: A administração pública pode declarar a nulidade dos seus próprios atos. e 473 do STF: A administração pode anular seus próprios atos, quando eivados de vícios que os tornam ilegais, porque deles não se originam direitos; ou revogá-los, por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a apreciação judicial.

CESPE – Ato revocatório desconstitui ato revogado, com efeito, ex nunc. CERTO.

c) Convalidação (desfazimento parcial): correção de ato viciado, vício sanável, ex.: posse declarada a quem não entregou seu título de eleitor.

Elementos convalidáveis:

1 – Competência: desde que não seja exclusiva;

2 – Forma: desde que não seja indispensável ao ato, única;

Obs.: a Convalidação não pode gerar:

1º – lesão ao interesse público

2º – Prejuízo a terceiros

Tipo de convalidação:

1 – Tácita: por decurso de prazo por inércia da administração pública, em regra 5 anos após a edição do ato.

2 – Expressa: por escrito, dentro do prazo prescricional, efeito retroativo – ex tunc.

d) Anulação: desfazimento total do ato administrativo viciado e irrevogável, vício insanável, ex.: posse a quem não possui título de eleitor, efeitos ex tunc (retroativo).

Veja Também:

Estágio Probatório

SIMULADO Lei 8.112/1990 – Servidores Públicos

 

Mariano

Mariano Borges é advogado militante, pós-graduado em direito do trabalho, tributário, administrativo e processual. Professor de cursos preparatórios para concursos, pós-graduações e graduações em Brasília e outras unidades da federação.

 

Acompanhe, curta e compartilhe!

 Washington Luís Batista Barbosa

http://www.washingtonbarbosa.com

http://www.facebook.com/washingtonbarbosa.professor

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s